domingo, 20 de novembro de 2016

Por terras lusitanas – XIV

SOBRE BISCOITOS E PORCELANAS

    Era mais ou menos 5 da tarde de uma quarta-feira, dia bonito com céu de poucas nuvens, com temperatura agradável. Vindo da Assembléia da República, na direção do Chiado, passei pela Calçada do Combro, sem pressa, olhando as fachadas do casario antigo de ambos os lados, ao mesmo tempo em que observava a numeração desenhada no passeio, em pedras portuguesas, coincidentes com os números das casas. Eu estava pisando sobre os números 59, 61, 63 e 65, bem à frente de uma fachada onde, em peças de azulejo com decoração floral, lê-se “MERCIARIA FIDELIDADE”. 

    No número 63, sobre a porta e no 65, em cima de uma vitrine, achei estranho o fato de que não havia biscoitos, nem fiambres, nem guloseimas expostas, mas apenas antiguidades – ou melhor, “velharias”, como dizia o letreiro da entrada. “Antiquário Alfarrabista Velharias Coleccionesmo”, para ser mais preciso. 










    Entrei e por alguns minutos fiquei me embevecendo com o acervo de peças antigas – louças, porcelanas, esculturas, móveis, brinquedos, pratarias, bonecas, câmeras fotográficas, lustres e uma infinidade de quinquilharias que nos remetem a um passado pleno de nostalgia. Bem no centro da loja, ao fundo, um pequeno corredor – à entrada do qual se lê “Armazem de Víveres Chá e Café” - nos conduz ao interior – até onde não entrei. Esta legenda é suficiente para explicar o mistério da “Merciaria Fidelidade”, reportando-nos à origem da casa.

    Uma história a mais, certamente, entre as tantas que constituem a memória de Lisboa, que nos surpreendem e emocionam.

Evandro 

domingo, 30 de outubro de 2016

Meu novo olhar de cada dia


PORTO ALEGRE – CENTRO HISTÓRICO

       Vez por outra volta-me o desejo de perambular pelo Centro da minha Porto Alegre. Nesses momentos pego a câmera e saio, sem pressa, para rever lugares que já vi e nos quais já vivi mil vezes desde tempos remotos, perdidos num passado quase longínquo.

       Gosto de caminhar pelas ruas e praças que testemunharam meus primeiros passos e redescobrir  detalhes que, embora impressos indeléveis na memória, me parecem sempre novos para perscrutar com a curiosidade do primeiro olhar meio infantil. 







 


 

      Ah, quantas vezes já trilhei estes caminhos! Neles há muitas coisas novas. Mas permanecem intocados a beleza da arquitetura, a sobriedade solene dos monumentos, o bucolismo dos recantos floridos e das ruas arborizadas. Persistem os jacarandás, os guapuruvus, os ipês, a velha e querida paineira, símbolo maior da Siqueira Campos!  





       E volto a fotografá-los! Não importa que eu já tenha feito antes outros registros. Estes, de agora, são sempre novos e renovado é o prazer de sentir que, de algum modo, eles ficarão eternizados nas imagens que levo comigo, de volta para casa. E que, para o meu júbilo, sempre busco compartilhar com vocês.

Evandro 

quarta-feira, 28 de setembro de 2016


BOULEVARD LAÇADOR

       Fiz estas fotos no dia 26 deste mês, no final de uma tarde de céu limpo e temperatura primaveril que, espero, vocês não me perguntem o que significa, já que podem bem imaginar. 


 

       O Boulevard Laçador localiza-se na Avenida dos Estados, Bairro São João, em Porto Alegre e foi inaugurado em dezembro de 2012. Fica próximo do Aeroporto Internacional Salgado Filho, do qual se tem uma bela vista. É um lugar bonito. Muito bonito! Agradável e acolhedor, para se curtir em família ou com amigos numa memorável “happy hour”.
       Ainda está em fase de ampliação que acrescentará mais de 20 novas lojas aos empreendimentos já existentes: cafés, restaurantes, galeteria e lancherias. Em sua área ajardinada encontram-se parquinho infantil, muitos arbustos ornamentais bastante floridos, área de estacionamento e bucólicos recantos para “não se fazer nada” – apenas apreciar o ambiente e ver os aviões que chegam e saem a todo instante. 




       E como o lugar é também um convite irrecusável para os apreciadores da aviação, não poderia faltar o histórico avião Douglas DC-3 da VARIG (identificado pelo prefixo PP-ANU), o “Douglinhas”, assim chamado carinhosamente pelos seus antigos pilotos. Considerado um dos primeiros modelos fabricados no mundo, está completamente restaurado e oferece visitações para “matar saudades”, todas as quartas feiras das 18 às 21 horas.






       Esta área de lazer soma-se aos muitos shoppings centers (mais de vinte, considerados apenas os maiores) e complexos similares existentes em Porto Alegre.
       Merece ser visitado e conhecido.
Evandro