sexta-feira, 27 de abril de 2018

Jardins do meu jardim


A HIDRÁULICA DOS MOINHOS DE VENTO 
- PORTO ALEGRE -  


       Neste local de belos jardins e de construções inspiradas na arquitetura do Palácio de Versalhes, verdadeiro cartão postal de Porto Alegre, funciona a Estação de Tratamento de Água Moinhos de Vento (ETA-Moinhos), encarrega- 
da do tratamento e abastecimento de água destinada a 14 bairros da Capital. 















       Entre as suas atrações encontram-se a torre da Hidráulica Moinhos de Vento – antiga casa de filtros construída em 1910 e desativada em 1969, o prédio histórico construído em 1928 com traços ecléticos positivistas e os jardins com um belo chafariz e as estátuas que simbolizam o Rio Guaíba e seus afluentes – conjunto escultórico mais antigo de Porto Alegre –  além de uma Galeria de Arte que fica aberta de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h30. 

       A Hidráulica fica na Avenida 24 de Outubro, altos da Independência.

       Estas fotos datam de 23 de abril de 2017.


Evandro 

segunda-feira, 19 de março de 2018

São Leopoldo, RS

SANTUÁRIO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

       Este Santuário está localizado na Cidade de São Leopoldo, RS, no Vale do Sinos, junto ao túmulo do Padre João Batista Reus (1). Constitui-se num dos principais pontos turísticos da cidade – e possivelmente de toda a região.

       Foi construído entre os anos de 1958 e 1968, nas imediações do cemitério particular dos Jesuítas, e atrai cerca de 600 mil devotos anualmente.

       Na fachada, destaca-se um painel apocalíptico, com 14 metros de altura e 185 metros de largura, montado com pastilhas de vidro pelo artista plástico Danúbio Gonçalves (2) À frente, ao lado direito, possui um campanário com 45 metros de altura. No interior, aparece a imagem do Sagrado Coração de Jesus, com 6 metros de altura, feita de alumínio, cobre e bronze.

















* * *

          (1) João Batista Reus, (Johann Baptist Reus, nascido em Pottestein, Bavieira, em 10 de julho de 1868 e falecido em São Leopoldo, RS, em 21 de julho de 1947).  Ingressou na Companhia de Jesus e, após sua ordenação, foi enviado para o Brasil. Durante muitos anos foi professor de teologia no Colégio de Cristo Rei, em São Leopoldo. Grande místico, a ele são atribuídos inúmeros milagres. Desde 1953 o processo de sua Beatificação encontra-se em andamento no Vaticano.

           (2) Danúbio Vilamil Gonçalves (Natural de Bagé, RS, nascido em 30 de janeiro de 1925), pintor, desenhista, gravurista e escritor,  foi fundador do Grupo da Gravura de Bagé. Também foi docente de Gravura no Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e de Litografia no Atelier Livre da Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Está atualmente com 93 anos de idade.  

Evandro

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Porto Alegre


REVISITANDO CAMINHOS 

       Voltar ao Centro de Porto Alegre sempre nos proporciona a oportunidade de rever lugares já vistos antes, tantas vezes, mas que, dependendo apenas de uma sutil mudança de ângulo, nos oferece uma nova visão destes mesmos caminhos. Parece-me ser este o caso destas fotos que fiz no dia 22 de novembro de 2016, mas que só hoje, quase um ano e meio depois, resolvi publicar. 









       Os locais são sobejamente conhecidos e as vezes em que já passei por eles são incontáveis. Mesmo assim, quando por aí andejo, é sempre novo o meu olhar, com o qual não canso de me extasiar. Rua da Praia (ou dos Andradas, como às vezes também é chamada), Sete de Setembro, Igreja de Nossa Senhora das Dores, Quartel General da Brigada Militar (onde existe um belíssimo Museu que poucas pessoas conhecem), a Casa de Cultura Mario Quintana... todos, a todo e a qualquer momento, reservam-nos surpresas, descortinando detalhes e perspectivas plenos de ineditismo. 

       Passem por lá de vez em quando. Só para verem se eu não tenho razão. 

Evandro

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Por terras lusitanas - XVI


PORTO - IV 

       Esta postagem é dedicada aos amigos Manuel e Fernanda. 

       Hoje deu-me saudades de Portugal. Garimpei nos meus arquivos e revi cada espaço desta terra linda na qual meus avoengos balbuciaram as primeiras palavras aprendidas da "última flor do Lácio, inculta e bela".

       Intuitivamente abri os arquivos do Porto, de onde selecionei estas dez fotos. Algumas com tempo nublado, bem "fechado". Raras com claridade de sol, pois os dias, na época das fotos, era de mudança de estação - do inverno para a primavera - e outras até com chuva, o que não impedia que, nem por isto, que a Cidade do Porto continuasse bela. 

      Perambular pelo Porto é algo indescritível. Conhecer suas ruas, as largas e majestosas avenidas, os parques e os incontáveis monumentos, as igrejas, as lojas, bares, restaurantes, livrarias - ah, livrarias! Como não se deixar embevecer pela Lello, na rua das Carmelitas?!... - e as suas esquinas, as estações de Comboios (Campanhã, São Bento - obra prima! - ) e o ar de cultura e tradição que se respira a cada quadra, diante de cada construção... São experiências que ficam na lembrança para o resto da vida! 









       Circular de "eléctricos", como os 18 e 22, Carmo e Batalha (tão parecidos com os antigos bondes "gaiolas" que corriam pelas ruas estreitas da minha Porto Alegre até o final dos anos 1960), explorar as especiarias do Mercado do Bolhão, admirar-se diante do casario recoberto de azulejos, dos velhos quiosques ou da imponência da Igreja dos Clérigos, da Catedral do Carmo, do velho prédio da Universidade, da mistura harmônica do antigo e do moderno na Praça Dom João I, formam fragmentos que se prendem na memória, construindo um mosaico de melancolia e beleza. 

       São esses os sentimentos que emergem na minha mente quando revejo estas fotos e que hoje decidi compartilhar com vocês. 

       Quero voltar ao Porto. Preciso voltar ao Porto! Mesmo porque lá, em Fânzeres, Gondomar,  residem pessoas amigas e queridas - quase irmãos, ou mais do que - que fazem parte da minha vida há longos anos, aos quais dedico, em particular, esta postagem. 

 Evandro